Copiar ou reinventar?

Sensibilidade é a porta de entrada das vibrações mais intensas que são canalizadas pelos sentidos. Durante essa caminhada pude observar que a paranormalidade só acontece quando vários sentidos trabalham simultaneamente. O equilíbrio se dá quando conseguimos processar todas as vibrações de uma maneira muito consciente. É muito natural aflorar principalmente a criatividade, e com ela aflorada é muito fácil você se perder nas emoções. Quando existem lacunas abertas, situações mal trabalhadas, é muito fácil a pessoa sensível se perder, devido ao emaranhado de coisas que estão acontecendo, tanto internas quanto externas, podendo levar ao pânico ou à depressão. Com a falta de preparo dos nossos pais em lidar com essas situações, deixa de ser feito um bom alicerce onde essas pessoas sensíveis podem se ancorar. O alicerce pode ser uma boa filosofia, mas uma filosofia aberta, sem crenças e sem dogmas, onde a energia pode fluir naturalmente. Uma das dificuldades que também vejo é a pessoa lidar com as identificações, que podemos chamar de espelhamento. O espelhamento acontece quando estamos diante de situações que provocam desequilíbrio físico ou psicológico. Quando criticamos uma pessoa estamos vendo nela o que precisamos trabalhar em nós. Isso é espelhamento. Vamos aprofundar um pouco mais. Gostaria que os leitores observassem essa abordagem que venho fazendo ao longo do tempo. Vamos imaginar que estamos no show de um cantor que nos faz vibrar. Identificamo-nos profundamente com suas músicas e imagem. Dois sentidos trabalhando simultaneamente: a audição e a visão. Só uma pessoa sensível pode perceber um dos níveis da inveja. A inveja tem várias facetas. Num primeiro momento achamos que queremos o bem dessa pessoa mas, se olharmos com mais profundidade esse contexto, vamos perceber a inveja. Você que está no show, não gostaria de estar no palco, vivendo o que o artista está vivendo? Pense nisso. Todos nós temos tendências artísticas, só falta nos conhecermos mais, nos percebermos melhor. Ficamos presos em crenças limitantes. Por isso aflora a inveja, deixamos de crescer e nos desenvolver. Vou usar uma metáfora: vamos imaginar uma quadra de basquete, onde o jogador principal se posiciona e faz um movimento por meio do qual acerta várias vezes a cesta. A pergunta é: você vai copiar o movimento dele ou vai reinventar uma maneira nova de acertar a cesta? Se você copiar, aí está uma faceta da inveja, muito sutil. A física quântica faz uma abordagem muito interessante, qual seja, a criatividade. Quando temos um problema grave, podemos copiar uma solução ou reinventa – la. Em outro momento falarei mais sobre como podemos usar a criatividade para solucionar problemas psicológicos e situações corriqueiras do nosso dia a dia. Uma dica: quer ser feliz? Livre – se de todas as suas necessidades. E vamos caminhando.

A névoa nas montanhas!

Na vastidão das montanhas encobertas pela névoa da manhã fria de domingo, meu coração demora a acordar. O silêncio ecoa em minha mente. E com o silêncio vem a observação do que ocorre naquele momento. A água com suas infinitas possibilidades – uma delas, a flexibilidade – dá um banho nas folhas e escorre pela terra. Na terra esconde-se o mistério da vida. Todas as metamorfoses acontecem lá. A terra tem o poder de separar a vida e a morte. Enquanto uns estão morrendo, outros estão nascendo. Nós, seres humanos, temos medo da morte. E alguns têm medo da própria vida. Temos que lembrar que uma semente morre para dar vida a uma planta. O ser humano quer ter a certeza de tudo e é aí que nos perdemos. Deus, o ser universal, criou os mistérios para jamais serem descobertos. Quando todos os mistérios da terra forem descobertos, não haverá mais motivação para viver. Quando você conhece o roteiro e toda a produção de um filme, não vai despertar em você a curiosidade de vê-lo. A vida é um ciclo sem fim… e vamos caminhando!

Valores!

Quando deixamos de nos amar e de conhecer toda a nossa capacidade, nossos valores mais supremos, e de estar em paz com nossas dimensões físicas, esquecemos de nós e olhamos para muito adiante. Eu sei que é difícil se conhecer. Precisamos sempre de espelhos para ver a nossa imagem refletida. Observe esta metáfora: você está caminhando por uma trilha e, de repente, você tropeça numa pedra de diamante. Você reconhece a pedra. A energia dela dispara sua imaginação, mexe com seus sonhos. Você começa a construir um universo paralelo ao seu. Tudo isso acontece porque reconhecemos o valor dessa pedra. E o mesmo pode acontecer com você, se você descobrir seus valores. Você pode mexer com a imaginação das pessoas e fazê -las crescer diante da sua energia. Seguindo a metáfora. .. com aquela pedra na mão, você esqueceu dos seus valores e depositou tudo nela. Você guardou-a como algo mais supremo e ela ficou com você durante algum tempo. Quanto mais tempo ela fica com você, mais você imagina as possibilidades que ela pode criar na sua vida. Eu tenho certeza que você desenvolve um certo apego pela pedra, você a olha e a monitora quase todos os dias, pensando em como ela pode ser útil na sua vida. Mas um belo dia ela desaparece, de alguma forma ela sumiu. E você começa a sentir um imenso vazio dentro de você, todas as possibilidades se apagam. E aí você começa a perder o sentido do seu caminho. O que eu quero dizer com essa metáfora é o quanto supervalorizamos o outro. Você começa a acreditar que, se perder o outro, você vai perder o sentido da sua vida. Você tem que acordar para o fato de que a maior riqueza é você, mas não se transformar num narcisista. E perceber que tudo nessa vida é passageiro e nada fica para sempre. Como dizem os grandes xamãs, as peças que acreditamos serem as mais valiosas vão voltar para a terra. E hoje isso tudo é provado pela arqueologia. Temos que aprender a usar as coisas, viver os momentos, e deixá -las quando for necessário continuar o caminho, sem ressentimentos, sem mágoas, esperando abrir-se um novo ciclo. (Lembre-se : a nossa vida é uma eterna metamorfose, estamos morrendo e renascendo a cada momento). E vamos caminhando. ..

O medo!

Quando temos medo deixamos de viver. A mentira só existe porque temos medo de falar a verdade… se temos coragem desaparece a mentira. A maioria das sensações que sentimos são alimentadas por outras sensações. Temos que ampliar a consciência para perceber o auto fluxo das sensações. Tudo que percebemos com os nossos sentidos se transforma em sensações, que são associadas com as memórias que estão presas na linha do tempo. E estas memórias presas são uma verdade para nós. Temos que ficar espertos com essas verdades falsas. As verdades verdadeiras estão todas no agora. E vamos caminhando, esperando novas inspirações…

A consciência plena!

As pessoas sempre querem seguir a filosofia de alguém. Elas se identificam muito com pessoas que já viveram a vida delas. São incapazes de viver pela sua própria energia e sabedoria. Eu acho que as ovelhas gostariam de viver livres, não viver pastoreadas . Por mais que o ser humano precise de laços para viver bem, ele pode viver com sua própria energia e despertar uma consciência. Vamos separar consciência e mente. Como vamos saber se estamos agindo pela consciência ou pela mente? Lembre-se que a mente reage a tudo. E quando vc está na consciência, você apenas observa, sem se identificar. Temos que ser discípulos de nós mesmos… temos que amar nossos sentimentos, nossa maneira de ser. Amar os momentos em que sorrimos, cantamos, choramos, dançamos… sempre vão existir líderes tentando moldar você, e a história mostra isto claramente. Quantos líderes vieram moldando as pessoas, tirando destas o prazer de serem elas mesmas. Eu acredito muito no ser humano. Eu acredito que cada pessoa tem algo muito importante para doar para outra, mas apenas uma doação para despertar, não para encapsular. Eu convido vocês que estão lendo, a viver um dia na consciência plena. Se sentir vontade de gritar, grite… Se sentir vontade de falar de amor, fale. Mas jamais deixe seu campo vibracional do agora. Com certeza, quando você nasce, você nasce com toda a capacidade para trazer algo a este planeta. Algo importante para somar, dividir, transformar, e não para destruir. Só destruímos o planeta quando perdemos a sabedoria. Tenho certeza que, quando você faz mal a uma pessoa, tem algo em você querendo segurar essa energia, que é seu lado bom. Só fazemos maldade quando perdemos o talento da sabedoria. Temos que aprender a nos libertar da maldade. Só vivemos a maldade porque vivemos dentro da mente. A mente trabalha com arquivos prontos. A consciência é diferente, ela busca no momento o que você mais precisa. Vamos observar Deus, imagine o universo na suas infinitas possibilidades… como seria se Deus observasse o universo por meio de uma mente? Ele não enxergaria um palmo na frente do nariz. Mas Ele observa o universo por uma consciência expandida e plena, vendo cada ser como ele é. Imagine as sementes levadas pelo vento,
que são lançadas ao solo. Elas germinam e criam sua própria imagem. Elas simplesmente se manifestam como tem que ser. Não existe um líder moldando sua natureza. Essa coisa de moldar as pessoas vem do lado negro do ego, pois o ego fica feliz em ter o controle das coisas. Há uma satisfação. As pessoas se sentem importantes dominando as outras, pois no fundo há uma energia de carência, pois o carente faz de tudo para ter as pessoas do seu lado. E as dominadas ficam felizes pois sentem que alguém está ditando seu caminho. Isso acontece pq a maioria de nós gosta de tudo pronto. Não é mais fácil pegar o isqueiro e acender o fogo do que descobrir uma nova maneira de introduzir ele? ! O que eu quero dizer com isso tudo, é que muitas pessoas passam por aqui e levam embora muita sabedoria, pois não conseguem colocar em prática. Eu vou dar uma luz para vocês. As pessoas que mais enlouquecem são as pessoas mais inteligentes, com mais criativade. Muitas vezes quando você tem essa criativade vc precisa reprimir ela. Você não pode gritar, não pode pôr para fora. Tudo isso se transforma em doenças psicossomáticas, pânico, depressão. A maior loucura está nos artistas. Quando há uma propensão para o lado artístico, há um fio para o desequilíbrio. Mas tudo isto pode ser resolvido quando você aprender a trabalhar com sua consciência, sendo um observador destas manifestações, canalizando-as da melhor forma. Vamos caminhando, esperando novas inspirações!

O nada!

As vivências e ensinamentos têm de serem sentidos, e, não entendidos. Nós não precisamos entender a vida, precisamos vive-la. Não precisamos programar o amanhã. Nós temos que aprender a sentir a grande energia de ser o nada. Quando nós somos nada, não existe mais nenhuma ação da mente. Aí sim há uma grande manifestação da presença. Ficar presente é sentir o todo sem se preocupar com o todo. Vamos caminhando…

Abra suas gaiolas.

Pare de alimentar suas preocupações e sentimentos negativos. Abra as gaiolas, deixe voar… Ninguém pode ferir seu coração sem o seu consentimento. O bambu é flexível com o vento. E vamos caminhando!

O vibrar do coração.

As mensagens transcendem as barreiras da mente. Podemos saber através das montanhas, pois o que sentimos vibra dentro de nós. A mente nos engana, o coração não. Quando sentimos o coração vibrar, significa uma verdade suprema. A vida é uma ilusão, e, quando a enxergamos, paramos de viver. A luz ilumina o caminho e abre um reflexo, criando possibilidades para as infinitas intenções apresentadas no momento. É como quando você segura algo que esquenta, você sabe o momento certo de soltar.