Aleks Kallon Carvalho

Eu sou Deus. E tu também és Deus. A única diferença entre nós é que enquanto  Eu estou inteiramente consciente disso, tu estás completamente inconsciente e céptico!!!

Aleks Kallon Carvalho

A recordação dos meus três anos de idade trouxe-me a ser o que sou hoje, presenciando conflitos afetivos entre meu pai e minha mãe. Estes incomodavam muito os meus sentidos, pois diante de minha sensibilidade, absorvia tudo como uma esponja absorve a água, liberava inúmeras sensações de medo, insegurança, principalmente o medo de escuro, medo de morrer…Deparando-me com a fúria de meu pai para com minha mãe, lá estava eu sem entender nada, apenas chorava muito. Todas essas sensações ficaram arquivadas no meu subconsciente e estes arquivos tiraram meu direito de ser criança, fazendo com que eu tomasse uma postura de adulto diante de tantos problemas.

Com o passar do tempo os problemas ainda continuavam, conflitos, agressões físicas, minha mãe falando em ir embora, meu pai também… as sensações de medo de ficar sozinho no mundo. Aos 07 anos eu tive que começar a tomar conta da casa, devido à minha mãe estar totalmente dopada pelos remédios, não conseguia nem fazer o almoço, passando a maior parte do tempo dormindo. Tinha meus dois irmãos menores, e meu pai saía para trabalhar de manhã e só voltava a noite, comecei a cozinhar para nós, lavar a roupa e manter a casa limpa, para depois caminhar uma longa distância para ir à escola, onde era tratado como uma criança “ burra”, que não conseguia memorizar as palavras, devido ao que vim a entender mais tarde, dislexia. Comecei a acreditar que era burro, que não conseguia entender nada.

Os conflitos com meu pai foram aumentando, chegando no auge na adolescência, até ao ponto de ficarmos sem nos falar. Hoje reconheço que meu pai foi uma vítima também… isso tudo me fez querer entender a mente humana. Comecei a ler uns livros de auto-ajuda de minha mãe, e mais tarde fui entender minha sensibilidade. Esculpir na madeira era uma forma de eu fugir da realidade, não pensar em nada.

Vivíamos em uma área rural, isolados. Para namorarmos, tínhamos que ir à pé , debaixo de sol forte ou chuva, sempre vencendo obstáculos. Sabia que seria alguém que poderia ajudar as pessoas… diante de uma enorme criatividade, que era associada à burrice, e para mostrar que eu era inteligente, tive que desafiar muitas pessoas, talvez uma ponto positivo para chegar onde estou.

Este relato de um pouco de minha história, serve para as pessoas perceberem a importância de uma educação sem violência, repressão, subestimação para com as crianças. Só mais tarde fui entender todo esse processo, o conflito da criança com os pais, os adolescentes com os pais, e o mais maravilhoso que o Universo me colocou, a cada dia mais torno-me um filósofo espontâneo (natural).

Diante desta filosofia posso narrar para uma ótima pessoa, que é minha mãe, reprimida pelos conceitos de meu pai, toda a capacidade de cantar, dançar, acabou em nada com a esquizofrenia.

Depois que deixei meus pais, observando à distância, escrevi um poema para minha mãe, que ainda não foi entregue…”Você mãe, foi uma grande árvore no meio da imensidão…teve um filho como se fosse um fruto, acolheu-me debaixo de sua sombra, como se fosse uma semente, protegeu-me do frio.. que pena que o homem que você escolheu amar me lançou tão longe de você, no escuro e na solidão, sempre lembrando-me de você, a cada passo, recordando seus ensinamentos até hoje. Pude presenciar na estrada o medo do escuro, a falta do teu colo..” foi quando me indaguei, onde está o Deus que tanto minha mãe dizia? Então ouvi uma voz que disse, “Você é uma semente, levada por um pássaro e lançada em pleno deserto, no solo quente, areia de cobre, mas mesmo assim irá germinar pois você é a energia da vida, a luz da tua estrada. Você carrega nas mãos o poder de liberar as emoções, de abrir a gaiola das sensações. Nesse instante eu percebi uma mudança em todo meu universo mental e físico…passei a cultivar o sucesso e olhar sempre para a frente e seguir adiante.

Observando toda a situação que passei, vejo que muitas pessoas também estão presas ao passado…percebo que quanto mais inteligente e criativo que seja o ser humano, tem uma maior predisposição a vários desequilíbrios psicológicos. O sofrimento nesses biotipos pode desencadear uma paranormalidade atrapalhando o equilíbrio psicológico, desenvolvendo inúmeras paranóias…o meu passado deu-me um grande suporte à pratica que eu aplico atualmente.

Associando à teoria da Parapsicologia, consegui desenvolver linhas de terapia para resgatar o ser humano dessas prisões inconscientes do passado. Dentre elas está a Canalização Quântica, que recoloca o ser humano na trilha, pra que possa reviver toda a situação e posteriormente reprogramar-se. Junto com a técnica e a habilidade que todo meu passado trouxe, de liberar uma energia relaxante através de minhas mãos, pelo relaxamento conseguimos resgatar sentimentos que estão reprimidos no fundo de nossa alma. A quantidade de sessões de terapia tem uma variação segundo minha classificação de biotipos. Cada biotipo assimila de uma maneira, que iremos aprofundar em ‘ Regressões’.

Antes de finalizar, gostaria de falar o porquê da mudança de meu nome. Como relatei anteriormente, na minha linha de habilidades, trago dançar, esculpir em madeira, criar algumas máquinas, vender, interpretar (teatro), gastronomia, hipnotizar com muita facilidade entre outras. Percebi a necessidade de buscar um novo nome que daria toda a sustentação artística a cada personagem. De Alexandre Antônio de Carvalho criei Aleks Kallon, sendo este o clã da minha origem.

Desenvolver os sentidos para crescer

A Teoria do Desenvolvimento Organizacional nasceu por três razões distintas: A primeira refere-se aos problemas burocráticos nas organizações. Para superar suas limitações, quanto dificuldades administrativas, eficiência e lucratividade.

Desenvolver seria nada mais do que conquistar, se aprimorar, crescer…
Com isso podemos observar quão grande é a oportunidade de desenvolvermos nossos planos, conhecimentos e criações, pois estamos locados em lugares que exigem esforços e inovações, melhorias constantes.

Estamos vivenciando diversas mudanças organizacionais, as quais nos levam a criticar e pensar o quanto nos tornamos precarios profissionalmente, a competência que há em cada um de nós, gera o desenvolvimento, as mudanças são os fatores pelos quais temos que nos aprimorar-mos.

Sejamos excelentes em crescer, buscar e criar.