Apesar de viver quase um século esse tempo todo não é suficiente para realizarmos todos os nossos sonhos!

Um dia percebemos que somos muito importantes para alguém, mas não damos valor a isso…Um dia descobrimos que apesar de viver quase um século esse tempo todo não é suficiente para realizarmos todos os nossos sonhos, para beijarmos todas as bocas que nos atraem, para dizer o que tem de ser dito… O jeito é, ou nos conformamos com a falta de algumas coisas na nossa vida ou lutamos para realizar todas as nossas loucuras. (Aleks Kallon)

Caminho infinito.

O amor faz parte do caminho. Só é importante quando conseguimos transmuta – lo. Amar é dar liberdade para o outro expressar – se da maneira que sentir no seu coração. Quando estamos cheios de amor, esse sentimento tão puro, as palavras desaparecem da nossa mente. A mente fica tão cristalina quanto uma gota d ‘ água. Amor também é um sentimento que te faz lutar, que te dá força. Temos muitos exemplos na História: Gandhi, Jesus Cristo, Mandela, Madre Teresa etc. Só podemos conhecer esse sentimento tão puro quando deixamos nossas crenças e nossos padrões. E vamos caminhando por esse caminho infinito da vida…

Valores!

Quando deixamos de nos amar e de conhecer toda a nossa capacidade, nossos valores mais supremos, e de estar em paz com nossas dimensões físicas, esquecemos de nós e olhamos para muito adiante. Eu sei que é difícil se conhecer. Precisamos sempre de espelhos para ver a nossa imagem refletida. Observe esta metáfora: você está caminhando por uma trilha e, de repente, você tropeça numa pedra de diamante. Você reconhece a pedra. A energia dela dispara sua imaginação, mexe com seus sonhos. Você começa a construir um universo paralelo ao seu. Tudo isso acontece porque reconhecemos o valor dessa pedra. E o mesmo pode acontecer com você, se você descobrir seus valores. Você pode mexer com a imaginação das pessoas e fazê -las crescer diante da sua energia. Seguindo a metáfora. .. com aquela pedra na mão, você esqueceu dos seus valores e depositou tudo nela. Você guardou-a como algo mais supremo e ela ficou com você durante algum tempo. Quanto mais tempo ela fica com você, mais você imagina as possibilidades que ela pode criar na sua vida. Eu tenho certeza que você desenvolve um certo apego pela pedra, você a olha e a monitora quase todos os dias, pensando em como ela pode ser útil na sua vida. Mas um belo dia ela desaparece, de alguma forma ela sumiu. E você começa a sentir um imenso vazio dentro de você, todas as possibilidades se apagam. E aí você começa a perder o sentido do seu caminho. O que eu quero dizer com essa metáfora é o quanto supervalorizamos o outro. Você começa a acreditar que, se perder o outro, você vai perder o sentido da sua vida. Você tem que acordar para o fato de que a maior riqueza é você, mas não se transformar num narcisista. E perceber que tudo nessa vida é passageiro e nada fica para sempre. Como dizem os grandes xamãs, as peças que acreditamos serem as mais valiosas vão voltar para a terra. E hoje isso tudo é provado pela arqueologia. Temos que aprender a usar as coisas, viver os momentos, e deixá -las quando for necessário continuar o caminho, sem ressentimentos, sem mágoas, esperando abrir-se um novo ciclo. (Lembre-se : a nossa vida é uma eterna metamorfose, estamos morrendo e renascendo a cada momento). E vamos caminhando. ..